quarta-feira, 29 de outubro de 2008

No café da esquina...


...ela debruçava seus anseios sobre a mesa, seus olhos passeavam distantes pela coluna do jornal enquanto enxergavam outras coisas, já passava das oito e a delicadeza com que levava a xícara até a boca não demonstrava pressa alguma. Talvez ela apenas carregasse o cansaço e os tormentos de um dia de trabalho, mas não parecia apenas exausta e ainda continuava na mesma página...A forma com que se enganava com o jornal transparecia coisas que talvez ela quisesse esquecer...Ela combinara a cor vermelha dos sapatos com a estampa da bolsa, acho que queria mostrar que as coisas estavam no lugar, que estava tudo certo, mesmo estando por dentro tudo tão desarrumado.

Alguém a esperava para o jantar?Ou ela teria de voltar para uma casa vazia e enfrentar ausências e silêncios?
Não sei mesmo do que ela fugia ou tinha medo.
Ela esboça um sorriso vazio ao garçom ao pagar a conta e toma o último gole do café, que já devia estar bem frio, fecha os olhos e suspira, como quem sabe bem que precisa apenas levantar e enfrentar essas coisas da vida.
E quando ela passa por mim eu me vejo na mesa do café, pareço não saber de quem estava falando.

2 comentários:

Igor disse...

bom.. tenho um texto aqui, em uma coletânea especial, que marca 3 de março de 2008 a última alteração..
fora uma ou outra troca de palavras, que inclusive ficaram melhores nesta nova versão aih, tenho este texto seu Rosi =)
me pareceu interessante na época, e mesmo muitas vezes depois.. e o mais interessante é como ainda não perdeu seu brilho.
acho q jóias de verdade são assim né, não perdem o brilho mesmo moça ;)
super beijo, excelente post!

Eddy Fantasia disse...

adorei esse texto, as vezes me sinto assim como se fosse a garota do cafe ....