terça-feira, 7 de abril de 2009

Eu por inteiro


Eu sinto um nó na garganta e um aperto no coração, acordo no meio da noite com perguntas ecoando em meus ouvidos e dispersando meu sono...Eu me sinto um livro lido pela metade.

Metade de mim eu conheço bem, mas a outra, desconheço.Ela vive escondida e usa meus medos como escudo.

Metade de mim é essa que fica engasgada e que não sabe se vai ou se fica, essa que enquanto não aprende a ser por si só, fica sendo parasita dentro de mim, me atormentando com efeitos colaterais...

Enquanto ela se esconde, eu fico com essa, que atinge a contramão nas conversões, que atropela a ordem certa das coisas e acaba fazendo tudo errado...Eu fico com essa que tem a fragilidade e a ansiedade como cartões de visita.

E eu vou perdendo o sono, mediando as disputas e inquietações dessas minhas metades que não aceitam ser uma só e que parecem adotar uma idéia "Ou isto ou aquilo" da Cecília Meireles, quando diz: "Ou se calça a luva e não se põe o anel, ou se põe o anel e não se calça a luva".Enquanto elas não se entendem eu me machuco sendo eu pela metade o tempo inteiro...

Deus, eu queria deixar as insanidades e incertezas no fundo do armário, como eu faço com as blusas que não são dessa estação...E queria parar de me sentir "uma criança debatendo desajeitadamente no corpo de uma mulher"

4 comentários:

Samuel disse...

As vezes me sinto assim também rosi... acho que é uma coisa frequente pra nós, e pra quase todos... a questão é que as vezes sentimos isso de maneira mais forte, outras vezes parece q não acontece e somos donos do nosso EU de maneira completa... vamos caminhando assim... quem sabe um dia nossos EUs não entrem num consenso

Eddy Fantasia disse...

adorei esse texto, bem humano com muita dor...bjs

Thiago Maia disse...

que bom que gostou
sempre que puder passa por lá
o seu também é legal, só precisa atualizar mesmo
beijos

Chinês Preto disse...

Eu não sei se um dia qualquer um consguirá conviver com os dois lados da moeda que temos na mente, para cada dia e situação abre uma parte de nossa mente que, talvez, nunca conheçamos. Mostrar um lado, revela o que você é empartes, mas ninguém se conehce e conehce o outro por inteiro, pois o inteiro só é conhecido quanto tudo ocorrer.
Até mesmo a insanidade é parte das pessoas, a loucura nada mais é que estar tão guardado dentro de si que não vê o mundo do outro.

Você escreve demais rs